Blog

Inscreva-se na newsletter e receba todas as novidades

Newsletter

Quais os sinais de um infarto em mulheres?

Quando falamos de infarto em mulheres, que imagem vem à sua mente? Dor forte no peito, que irradia para o braço esquerdo? Você não está errado: esses são os sintomas típicos e mais comuns. 

Entretanto, os sintomas de infarto nas mulheres podem ser diferentes e até confundidos com sinais de outros problemas. Nesses casos, o atraso no diagnóstico, e a consequente a demora no atendimento, podem ser fatais.

Conhecidos como sintomas atípicos, as mulheres podem apresentar dor abdominal (que pode parecer gastrite ou refluxo), dores nos ombros e nas costas,  cansaço excessivo sem causa aparente, enjoo, mal estar geral e sudorese.

Os sintomas podem aparecer em conjuntos ou separados, e não precisam de esforço físico em excesso ou trauma emocional para aparecer. Por isso, podem surgir tanto em momentos de repouso quando de esforço.

A anatomia humana explica essas diferenças de sintoma. No corpo das mulheres, a sensação da dor do infarto se espalha para outras partes do corpo. Isso se deve à espessura das veias e artérias femininas, que são mais finas em relação a dos homens.

infarto em mulheres: mulher com a mão no peito

Fatores de risco 

O grupo de risco de infarto é semelhante para homens e mulheres: tabagismo, sedentarismo, diabetes, pressão alta, colesterol alto, obesidade, e histórico familiar da doença. 

No entanto, as mulheres também tem fatores próprios e importantes: 

  • Complicações na gravidez (principalmente a pré-eclâmpsia)
  • Diabetes gestacional 
  • Menopausa precoce (antes dos 40 anos)
  • Síndrome do ovário policístico (provoca infertilidade, ganho de peso e menstruações irregulares, aumenta o risco de cardiopatia).

Número de infarto em mulheres aumenta

O número de mulheres que sofrem um infarto tem aumentado muito. Na década de 70, a cada 10 infartos, 9 eram em homens. Atualmente, 47% dos casos são em mulheres. Uma mulher sofre infarto no Brasil a cada 11 minutos, e a doença já mata mais que o câncer de mama.

Se notar algum sintoma, procure atendimento médico imediatamente.